Category

Para candidatos

Category

Cidade do interior de São Paulo é considerado polo de inovação e tecnologia

Localizada no interior de São Paulo, a cerca de 230 quilômetros da capital, a cidade de São Carlos possui 250 mil habitantes, sendo o 13º maior município do estado, além de uma população flutuante de cerca de 30 mil universitários. Isso porque duas universidades importantes, como a USP, UFSCar e a FATEC São Carlos, possuem cursos que atraem alunos de diversos cantos do país para seus campus. 

Polo de desenvolvimento científico e tecnológico

Entre os cursos mais disputados entre os universitários, estão os das áreas voltadas para a tecnologia. São Carlos é conhecida desde sua fundação como um ponto regional industrial de referência, fazendo com que os setores de tecnologia e empreendedorismo ganhem cada vez mais força nos dias atuais.

De acordo com o G1, estima-se que as universidades locais colocam, em média, 300 profissionais da área de computação no mercado anualmente, já que a cidade concentra o maior número de pesquisadores com doutorado do Brasil: 2,5 mil, uma média 10 vezes maior que a média nacional de acordo com um levantamento realizado pela USP

Aumento da necessidade de mão de obra qualificada

São cerca de 50 empresas do setor, que empregam mais de mil e quinhentos profissionais. Com isso, diversas startups, centros de inovação, laboratórios de pesquisa e coworkings começaram a surgir na região. Sendo considerada uma espécie de “Vale do Silício brasileira”, a cidade se tornou o endereço certo para os apaixonados por tecnologia.

Isso faz com que os graduandos deixem de lado a ideia de morar em outra cidade após a conclusão do curso e permaneçam em São Carlos. E isso pode ser um excelente negócio, já que a necessidade de mão de obra especializada cresce a cada dia.

Por que “Vale do Silício brasileiro”?

Um verdadeiro polo de inovação e empreendedorismo, São Carlos recebeu o título de “Vale do Silício brasileiro”, por reunir grandes empresas e excelentes profissionais. Prova disso é a empreitada de dois profissionais que decidiram inovar, adaptando uma antiga fábrica de tecidos em um ecossistema para reunir startups pequenas e braços de grandes empresas em um só lugar. 

E o espaço já está muito bem ocupado: em seus 21 mil metros quadrados, é possível encontrar grandes nomes como Santander, Serasa, Movile, Mercado Livre, Ambev, Mapfre, Electrolux e Roche.

Qualidade de vida e oportunidade de crescimento

E para quem tem dúvidas sobre realmente valer a pena mudar de outra cidade, ou até mesmo de São Paulo para São Carlos, saiba que os índices de qualidade de vida do município são motivos de muitos elogios por quem ali habita.

Em pesquisa realizada em conjunto pela USP São Carlos, UFSCar e FATEC Jaú, São Carlos foi escolhida como a cidade que mais se destaca nos quesitos de saúde, educação e segurança. 

Além disso, as vantagens de viver em uma cidade do interior são inúmeras, já que além da tranquilidade e segurança que uma cidade menor proporciona, ainda há a facilidade de mobilidade, proximidade com a capital e o mercado de trabalho bastante aquecido. 

Oportunidades em São Carlos

E com todas essas informações sobre o “Vale do Silício brasileiro”, você já pensou em trabalhar na cidade? Se sua resposta for sim, saiba que estão disponíveis novas vagas para diferentes empresas dentro da área de talentos digitais.

A Hprojekt possui um banco com mais de 150 vagas nos mais variados segmentos em São Carlos e também em todo o Brasil. Você pode conferir todas elas clicando aqui. Quem sabe sua nova oportunidade não está aqui, não é mesmo? Inscreva-se e boa sorte!

Saiba quais informações devem ser destacadas para conquistar o emprego dos sonhos

Apesar do momento delicado que vivemos atualmente com a pandemia causada pelo Novo Coronavírus e suas variantes, o setor de empregos vem crescendo de maneira razoável. 

De acordo com informações divulgadas pelo Ministério da Economia, somente no mês de fevereiro de 2021 foram criados mais de 401.639 postos de trabalho com carteira assinada no Brasil. Um número bastante expressivo, já que não era obtido um resultado tão satisfatório para esse período há mais de 30 anos.

Com a abertura de novas vagas em diferentes modalidades, levando em conta que o home office se tornou uma realidade no país, é preciso saber qual a melhor forma de se destacar perante as empresas. Um currículo bem feito, contendo as informações necessárias pode abrir portas para diversas oportunidades em grandes companhias. A seguir, confira algumas dicas para deixar o seu currículo ainda melhor:

Insira em primeiro lugar quais são seus objetivos

Se você deseja entrar em uma empresa para ocupar a vaga de analista, por exemplo, insira logo no cabeçalho do seu currículo essa informação. Isso otimiza o tempo do recrutador, que ao visualizar o seu objetivo de primeira, dará uma atenção maior ao seu currículo e terá mais chances de verificar suas habilidades e experiências profissionais.

Vale lembrar que uma visualização prévia de currículo leva, em média, 30 segundos. Por isso é tão importante prender a atenção do recrutador para que ele leve em consideração a separação do seu currículo para que uma análise minuciosa do mesmo seja feita posteriormente.

Seja sucinto

Ao contrário do que muitos imaginam, currículos sucintos, porém bem elaborados, atraem muito mais atenção do que currículos complexos, contendo várias páginas e cheios de informações. Isso porque a visualização deste documento vai demandar um tempo maior do recrutador, sendo que em vários casos, as experiências não vão de encontro ao que o recrutador busca para aquela vaga.

Sendo assim, é interessante trazer informações pontuais sobre suas experiências anteriores e formações acadêmicas, mas de forma bastante resumida. Até mesmo porque é na hora da entrevista que o recrutador deseja saber detalhes sobre toda a sua trajetória profissional. 

Verifique se seus objetivos estão alinhados com as premissas da empresa

É muito comum que, ao buscar um emprego, as pessoas enviem currículos para diversas empresas. Inclusive, para locais nos quais não se identificam com os valores propostos pelas mesmas, o que pode ser um grande erro. Isso porque ao entrar em uma companhia, você terá de viver a cultura dela de maneira intensa. 

Estude sobre o local, conheça seus colaboradores e pesquise referências sobre as atividades realizadas. Se sentir que não está de acordo com seus objetivos a médio e longo prazo, isso pode se tornar uma experiência frustrante para ambos os lados, atrapalhando até mesmo o desenvolvimento dos serviços. Sendo assim, vale a pena selecionar o envio do currículo apenas para empresas nas quais exista uma identificação prévia. 

Mostre-se disponível para mudanças no período pós-pandemia

De acordo com a matéria publicada no portal IG, os empregos na modalidade home office cresceram cerca de 309% no último ano. Entre as vagas disponíveis nesse modelo, o setor de tecnologia está na liderança, com 41%. 

Apesar de grande parte das empresas adaptarem seus serviços para a rotina em casa, com suas atividades sendo realizadas simultaneamente entre os colaboradores de forma on-line, boa parte das companhias durante as entrevistas questionam se os candidatos estão dispostos a mudar de cidade ou estado quando a situação se normalizar.

Se a situação não for impeditiva para você, mostrar-se aberto para esse tipo de mudança pode ser bastante vantajoso. A disponibilidade pode mostrar para a empresa o seu interesse em estabelecer relações a longo prazo, auxiliando no seu crescimento dentro da companhia. Ou seja, é extremamente válido inserir a famosa frase “disponível para viagens e mudanças pela empresa” no currículo!

Organize suas experiências anteriores em ordem cronológica

Para que o recrutador verifique suas informações com mais clareza, é preciso trazer o que há de mais interessante em suas experiências em primeiro lugar. Assim como citamos no começo do texto a importância de frisar seus objetivos, também é importante ordenar de forma cronológica suas experiências anteriores, sempre iniciando da mais recente para a mais antiga. 

E como falamos de um currículo sucinto, mencione com um pouco mais de detalhes apenas as duas últimas experiências em forma de texto, mas mesmo assim, de maneira muito breve. Deixe os detalhes sobre todas as vivências para o seu bate-papo com o recrutador. 

Saber outro idioma é interessante, mas ser honesto também é

Não é segredo nenhum que o fato de saber outro idioma, principalmente o inglês, é muito interessante para abrir mais portas no mercado de trabalho. Saber o nível básico, por exemplo, já auxilia em pesquisas, processos e até mesmo permite a participação em reuniões mais simples. Então, se for possível realizar esse tipo de investimento, vale a pena incrementar o currículo com um curso de idiomas.

Mas também é preciso manter a honestidade caso não possua nenhuma noção de outro idioma. Não são todos os cargos que possuem essa obrigatoriedade e, em muitos casos, se o candidato for talentoso e atender às exigências do cargo, a própria empresa pode considerar contratá-lo mesmo assim e de quebra, pagar um curso para aperfeiçoamento. Ou seja, seja transparente sobre seus conhecimentos!

Revise seu currículo antes de enviá-lo

Essa pode parecer uma dica óbvia, mas acredite – não é. Diversos candidatos são descartados por trazer informações confusas e/ou erradas nos seus currículos. Seja um telefone ou endereço de e-mail errado, informações vagas sobre seus cursos e experiências, tudo isso pode fazer com que seu currículo seja colocado em cheque. 

Por isso, após inserir todas as informações, revise. Peça ajuda para alguém próximo também verificar o seu currículo. E verifique novamente toda vez que for enviá-lo para uma nova empresa, fazendo adaptações sempre que necessário. Isso pode te garantir muitos pontos com os recrutadores! 

Agora que você já sabe como melhorar o seu currículo, que tal se aprofundar ainda mais no que diz respeito às entrevistas? Acesse o nosso blog e confira nossos conteúdos especiais para candidatos. E caso já se sinta preparado, acesse nosso portal de vagas para ver todas as oportunidades disponíveis e boa sorte! 

As carreiras relacionadas à tecnologia da informação seguem em alta. Oportunidades relacionadas à machine learning, internet of things (IoT), inteligência artificial e ciência de dados não param de crescer. Se você tem interesse em ingressar na carreira de data analyst, mas não sabe por onde começar, neste texto nós explicamos melhor como se preparar para esta profissão.

Afinal, o que faz um analista de dados?

O data analyst basicamente  vai coletar e organizar dados por meio de gráficos e planilhas. O intuito é que toda essa informação não seja somente um compilado de registros e sim, que seja utilizada de maneira útil para as empresas.

O analista precisa observar e identificar padrões e comportamentos da empresa ao longo do tempo e auxiliará as estratégias de negócio. Além disso, também poderá analisar a produtividade, o desempenho da empresa de forma geral e até mesmo observar tendências de mercado.

Quais as skills essenciais para este profissional?

Por ser uma profissão recente, existem poucas opções de cursos de graduação em Ciência de Dados, por isso, é muito comum que profissionais desta área possua formação em cursos de tecnologia  ou ciências exatas como Ciência da Computação, Estatística, Matemática, Sistema de informação entre outros.

Os conhecimentos necessários para ser um bom data analyst são:

Dominar programação: Linguagem R e Python são muito utilizadas por ferramentas para coleta, limpeza, transformação, processamento e interpretação dos dados. Outra linguagem comumente usada é SQL, que é essencial para analisar e interpretar dados relacionados a eles. 

Raciocínio lógico: é esperado que o profissional desta área tenha um bom pensamento lógico e ampla capacidade de interpretar os dados expostos de maneira inteligente e assertiva.

Conhecimento de ferramentas: o data analyst precisa ter habilidade com plataformas como o Hadoop. É muito comum que as empresas utilizem software de gestão de dados como Bigquery, HBase, Hive, Impala ou Spark. Além do domínio das ferramentas, é esperado que o profissional esteja familiarizado com ferramentas de ETL (extração, transformação e carga).

Qual a diferença entre um analista de dados e um cientista de dados?

Antes de abordar a diferença das duas profissões na prática é necessário entender a diferença entre os termos Análise de Dados e Ciência de Dados. A análise é mais objetiva do que a ciência dos dados porque não procura somente conexões entre dados, os data analyst têm a função de coletar e organizar os dados para fornecer informações sobre determinados cenários. Logo, a Análise de Dados faz parte de um universo maior, que é a Ciência de Dados.

Em termos práticos, o Cientista de Dados precisa dominar as habilidades de um Analistas de Dados e ter um amplo conhecimento de modelagem, estatística, matemática e ciência da computação. Os data scientists trabalham com modelagem preditiva e aprendizado de máquina, portanto, desenvolvem modelos preditivos complexos para fornecer informações estratégicas baseadas em dados.

Mercado de trabalho

Muitos segmentos de mercado estão utilizando a análise de dados como biotecnologia, viagens, finanças, marketing, tecnologia da informação entre outros. Mas a atuação dos profissionais de dados não fica restrito a estes mercados, já que qualquer negócio pode utilizar processamento e análise de dados para orientar a tomada de decisão.

Um ambiente em que a liberdade e a responsabilidade caminham juntas

Se você tem a curiosidade de saber como é trabalhar em uma startup, chegou ao artigo certo. A cultura organizacional e o modo de trabalho nesse tipo de empresa são bem diferentes dos tradicionais, o que atrai a atenção de jovens inquietos, sedentos por desafios.

O ambiente de trabalho em uma startup é informal, flexível e dinâmico. A liberdade e a responsabilidade andam juntas, pois há um desejo genuíno de estimular o bom desempenho e produtividade sem, contudo, criar amarras e burocracias.

Se identificou? Continue com a gente neste post para entender melhor o que é uma startup e suas características mais marcantes. Quem sabe você já não estará bastante familiarizado caso seja convidado para trabalhar em uma!

Definição de startup

Trata-se de um modelo de negócio jovem ou criado recentemente, com características escaláveis e perspectivas de crescimento rápido, pautado na eficiência. A inovação é o carro-chefe das startups para dar maior velocidade à aplicação das ideias criativas.

Diferentemente das pequenas e médias empresas que crescem mais lentamente, uma startup é acelerada e impõe um ritmo de trabalho mais intenso, para gerar receita, crescer e se desenvolver mais rapidamente.

O ambiente de trabalho de uma startup tem uma atmosfera informal e é carregado de uma cultura que preza pela diversidade e flexibilidade em todos os sentidos — os colaboradores têm a liberdade de escolher como desejam ser, vestir ou trabalhar — mantendo o foco nas soluções e resultados.

O espírito empreendedor de uma startup pode ser visto não só na estrutura física, mas em cada profissional, independentemente do cargo ou área de atuação. Os esforços e as conquistas são celebrados por todos em igualdade.

A liberdade de um trabalho informal

Os profissionais podem escolher como e onde desejam trabalhar. O home office — sonho de tantos profissionais — é uma realidade recorrente nas startups. Se o profissional pode desenvolver as mesmas tarefas e concluir suas metas dentro do prazo, tanto faz se ele está no escritório ou deitado em sua cama.

Mas não se engane! Junto a alguns benefícios estão também grandes responsabilidades. Nas startups é bastante comum que os profissionais se reúnam com fundadores e CEOs e contribuam para tomadas de decisões, o que nas empresas convencionais quase não ocorre.

Profissional multitarefas

O estado de urgência imposto a uma startup fará cada profissional aprender na prática sobre os diversos setores e atuar em cada um deles para aprimorar as habilidades e contribuir mais efetivamente — oportunidades únicas de aprendizado, desenvolvimento e crescimento.

Um aspecto importante das startups é que se iniciam com poucos recursos financeiros e caminham sem ostentação, priorizando resultados grandiosos com investimentos modestos. São comportamentos que os profissionais costumam levar para a própria vida.

Empresas desse tipo aprendem a lidar com um cenário instável e arriscado, uma vez que estão sempre inovando e experimentando novas ideias e ferramentas. Muita gente tem dificuldades de se adaptar a esse estilo de negócio, preferindo o tradicionalismo e a burocracia.

Com uma filosofia escalável e repetível, a startup pode alcançar um número considerável de clientes e lucrar rapidamente sem, contudo, sofrer um abalo muito grande nos custos e despesas.

Características de maior impacto em uma startup

Uma startup tem um estilo próprio, totalmente voltado para uma filosofia livre de rótulos e opiniões formadas. Com isso, algumas características são notáveis e tornam esse modelo bem diferente da maioria que existe no mercado. Confira alguns exemplos:

  • Pensamento disruptivo – Com um pensamento disruptivo, as startups são capazes de incomodar empresas já consolidadas no mercado. Mesmo com menos recursos, elas oferecem muitas vezes as mesmas soluções a custos menores para os clientes, rompendo muitas hegemonias de anos.
  • Ownership dos colaboradores – A cultura de empreendedorismo e motivação para vencer desafios faz com que os colaboradores se sintam também donos da empresa. O sentimento de pertencimento e propriedade é amplamente estimulado, pois assim o engajamento se mantém aquecido, o que é bom para ambas as partes.
  • Ambiente de constantes mudanças – A inquietude é algo que uma startup vivencia todos os dias, o que faz com que as mudanças sejam constantes, com consequências evolutivas ou não. O risco faz parte do cotidiano de quem atua em uma startup, mas há sempre um clima de vitória no ar.
  • Flexibilidade no trabalho – Se um colaborador é capaz de concluir suas metas, não importa a que horas ele chegará à empresa ou por quanto tempo permanecerá dentro dela, desde que esteja comprometido e empenhado em apresentar os resultados esperados — sendo, assim, o seu próprio chefe.
  • Rápido crescimento na carreira – A ascensão não é apenas da jovem empresa, mas também dos colaboradores que têm a oportunidade de se desenvolver em diversas áreas, circulando em cargos e funções variados em um curto espaço de tempo.
  • Ambiente familiar – Um ambiente solidário, colaborativo de torcida mútua pelo sucesso, não apenas da empresa, mas pessoal e profissional de cada um dos envolvidos. Colaboradores de startup vibram juntos quando são bem-sucedidos e se amparam quando algo dá errado — a irmandade impera e difere da competitividade nas empresas tradicionais.

Algumas qualidades e comportamentos são importantes e fáceis de reconhecer em colaboradores que atuam em startups:

  • São criativos;
  • Aproveitam as oportunidades;
  • Growth hacking — marketing orientado a experimentos para crescimento;
  • trabalham com agilidade;
  • Storytelling e oratória — capacidade de contar histórias e engajar públicos;
  • São autônomos em sua própria gestão de tempo e resultados;
  • Desenvolvem boas habilidades comportamentais — liderança, resiliência, capacidade de crítica e análise, proatividade e inteligência emocional.

Nas startups, um dia raramente será igual ao outro e o clima de instabilidade pode ser contínuo até que o negócio dê mostras do seu fortalecimento. O interessante é que pessoas com perfil para trabalhar nesse tipo de empresa não estão preocupadas com isso, sobretudo por perceberem na instabilidade motivos para maior dedicação e engajamento.

Gostou desse conteúdo? Confira mais materiais relevantes em nosso blog.

Se você deseja encontrar o melhor profissional para a sua empresa, conte com a Hprojekt! Entre em contato conosco que estamos prontos para te ajudar.

Um olhar sobre novas tendências e o que podemos esperar do RH no futuro

A busca por inovação é uma constante. Com o objetivo de se destacar cada vez mais no mercado, as empresas buscam o que há de melhor no que diz respeito às tendências tecnológicas. E no setor de RH não seria diferente. Confira a seguir algumas das novidades para essa área:

Seleção Digital 

Segundo o relatório The Future of HR 2018, publicado pela Gartner, o investimento em tecnologia para contratar o candidato ideal pode reduzir em até 75% o arrependimento pós-contratação, já que um processo digitalizado pode filtrar as informações com o objetivo de encontrar o candidato perfeito. 

Existem várias alternativas para realizar este processo digitalmente, como  softwares de recrutamento, mídias sociais e marketplaces de talentos.

Automação 

A automação é essencial para tornar o RH cada vez mais estratégico e menos burocrático, e deve ser inserida cada vez mais nos processos diários de Recrutamento e Seleção.

Um estudo realizado pela Carrer Builder mostra que gerentes de RH que não automatizam completamente suas áreas, perdem em média 14 horas por semana realizando tarefas que poderiam ser resolvidas de maneira mais simples e prática. Entre alguns exemplos, podemos citar as folhas de pagamento, rastreamento de candidatos e onboarding.

People Analytics

O People Analytics é uma metodologia que analisa e coleta dados sobre os colaboradores para, assim, criar novas oportunidades de aproveitar ao máximo os pontos fortes e melhorar os pontos mais fracos. 

Com essa metodologia é possível ter informações que vão facilitar a tomada de decisões de recrutamento e seleção. É possível prever quais dos seus novos colaboradores terão o melhor desempenho em alguns anos ou quais deles podem deixar a empresa em pouco tempo, por exemplo.

Inteligência Artificial

A inteligência artificial pode ser utilizada para automatizar processos e realizar análises, o que futuramente será considerado um elemento quase obrigatório no RH. 

No recrutamento, por exemplo, a inteligência artificial pode ser usada para cruzar informações dos candidatos com o perfil ideal para a vaga, poupando assim o tempo de realizar essa pesquisa manualmente e, de quebra, aumentando a taxa de assertividade. 

E você, já está preparando para o futuro? Então fique de olho no nosso blog e confira diversos conteúdos que podem te ajudar a crescer nessa profissão!

Liberdade ou estabilidade: algumas das dúvidas que perduram no momento de fazer essa escolha

Entre trabalhar em uma startup ou em uma empresa tradicional, qual seria a melhor opção? Nesse caso, não há uma resposta exata. É preciso analisar diversos pontos, especialmente o seu perfil como profissional e quais são seus objetivos de carreira. Somente desse modo será possível fazer uma escolha consciente e acertada.

São muitas as diferenças entre startups e empresas tradicionais. A rigidez hierárquica, a estabilidade financeira e a velocidade do crescimento são bons exemplos. É preciso analisar como você adere a cada uma dessas peculiaridades para, então, fazer a sua escolha.

A seguir, apresentaremos algumas das particularidades entre startup e empresas tradicionais e mostramos como você pode definir qual é a melhor opção para o seu momento profissional. Confira:

Primeiro, atente-se ao ambiente de trabalho

Uma das principais diferenças está na própria ideia de ambiente de trabalho. Entenda o termo “ambiente” como algo amplo, que inclui a cor da parede e o clima de trabalho, entre muitas outras coisas. Logo, o “ambiente de trabalho” é tudo aquilo que cerca o profissional.

Em startups, é bastante comum que o ambiente em questão seja mais divertido e descontraído. Seus fundadores costumam ser pessoas mais jovens e esse espírito é facilmente identificado ao longo da estrutura do empreendimento. Por isso, é mais fácil se deparar com paredes coloridas e consoles de videogame em seus espaços.

Em contrapartida, as empresas tradicionais costumam apresentar ambientes mais “engessados” — o que não é necessariamente ruim. Há um clima mais solene, centralizado e que exige determinada postura dos seus colaboradores. Sendo assim, existe um pouco mais de rigidez.

Não há um ambiente melhor que o outro nesse caso, mas eles podem atender de maneira singular os diferentes interesses dos perfis de profissionais. Talentos das gerações Y e Z, os mais jovens, podem se sentir mais à vontade em startups do que seus pares profissionais mais experientes.

Faça um comparativo de startup x empresa tradicional

Para definir qual seria a melhor opção, é necessário comparar alguns pontos que diferenciam as startups das empresas tradicionais. Por exemplo, a estabilidade de carreira, a faixa salarial e a flexibilidade no expediente. Ao considerar esses pontos, terá uma visão mais clara do que deseja para esse momento.

Perspectiva salarial

Não é uma regra, mas é comum que startups ofereçam salários mais baixos que empresas consolidadas. O motivo é muito simples: elas estão começando, provando o seu modelo de negócios e captando uma base inicial de clientes. Logo, não têm dinheiro no caixa.

Por outro lado, as empresas tradicionais têm perspectivas salariais mais altas. Elas apresentam uma previsibilidade financeira e isso contribui na hora de oferecer salários mais atraentes, especialmente na hora de contratar grandes talentos. Logo, seus salários costumam ser mais altos.

Oportunidade de crescimento

Como salário não é tudo, é preciso considerar outros itens. A oportunidade de crescimento é um bom exemplo. Empresas tradicionais tendem a falhar mais nessa variável, afinal, elas já possuem uma estrutura hierárquica consolidada e baixos índices de crescimento anual.

As startups, por sua vez, estão em estágio de crescimento e podem triplicar em tamanho em apenas alguns meses. Isso significa que é possível crescer com o empreendimento e ocupar cargos mais elevados, sem precisar esperar por longos anos. Esse crescimento rápido é bastante atraente.

Liberdade para o trabalho diário

A liberdade para exercer o trabalho é importante, afinal, garante que o colaborador tenha autonomia para tirar suas ideias do papel, inovar e atingir resultados fora do lugar-comum.

Empresas tradicionais tendem a restringir a liberdade dos seus profissionais — graças à estrutura mais rígida e consolidada. Todos os empregados têm um papéis muito claros dentro da companhia e devem segui-los.

As startups apresentam uma estrutura mais flexível, permitindo que os colaboradores tenham mais autonomia diária. Além disso, contam com uma cultura de inovação que garante flexibilidade para tocar e pilotar projetos próprios, se ligados ao negócio.

No entanto, é preciso ter cuidado e avaliar se essa liberdade não cria desorganização — esse seria um ponto fraco e que certamente não contribui para a construção de uma carreira.

Ciclos rápidos de inovação

Startups costumam trabalhar com ciclos de aprendizagem e inovação. Elas coletam dados dos seus consumidores, extraem insights dos dados e promovem melhorias pontuais. Esse processo de inovação contínua é importante — e promove o aprendizado do colaborador.

Empresas tradicionais também contam com programas de inovação e aprendizado. Porém, sua estrutura é grande e complexa, o que dificulta o seu processo de mudança ou adaptação ao mercado. Ou seja, elas são “pesadas” para se envolverem em ciclos rápidos de inovação.

Estabilidade no trabalho

No mercado, não existe muita estabilidade — até as empresas bem-sucedidas deixam de existir. Todavia, é preciso considerar que startups contam com mais imprevisibilidade que empresas tradicionais, afinal de contas, ainda estão testando o seu modelo de negócios.

Essa imprevisibilidade, natural às startups, pode gerar menos estabilidade no trabalho. É possível que equipes inteiras sejam realocadas para outras áreas ou até mesmo desligadas, no intuito de “enxugar” contas para caber no orçamento do mês.

Pela previsibilidade financeira, empresas tradicionais contam com mais estabilidade. É menos provável que seu cargo deixe de existir em alguns dias. Todavia, é preciso ter cuidado para que a previsibilidade não gere comodismo, deixando você em um mesmo lugar.

Por fim, considere o seu líder imediato

Outro fator-chave para escolher entre startup ou uma empresa tradicional é pensar sobre seu líder imediato e sua relação com ele.

Em startups, é comum que essa relação seja mais flexível. Há uma estrutura hierárquica enxuta e você tem acesso direto aos profissionais c-level. Além disso, há uma menor relação de poder, sem a ideia de comando e controle, permitindo que tenha liberdade para atuar.

Além disso, os líderes e profissionais c-level costumam ser jovens e diretamente envolvidos com o início do negócio. Logo, há uma linguagem de geração Y ou Z.

As empresas tradicionais contam com uma estrutura hierárquica clara e, para chegar à alta administração, é preciso passar por seu superior imediato. A ordem de comando deve ser respeitada, do contrário nem mesmo existiria. Isso engessa a relação entre líder e liderado.

Após estar por dentro do tema startup x empresa tradicional, você pode avaliar qual dos dois locais seriam a melhor escolha para trabalhar. Conforme foi dito, não existe uma regra — uma startup não é necessariamente melhor que uma empresa tradicional ou vice-versa. É preciso considerar o seu perfil, seus interesses a longo prazo e imaginar sua adaptação dentro desses empreendimentos. 

Agora, aproveite para nos seguir nas redes sociais — estamos no Facebook, LinkedIn e Instagram — e não perca as novidades em nosso blog.

Confira algumas dicas valiosas para você se destacar no cenário corporativo

Você sabe como melhorar seu currículo? A competitividade profissional tem exigido cada vez mais que profissionais em busca de uma boa colocação no mercado estejam  preocupados em inserir informações relevantes para oportunizar uma vaga de emprego.

O currículo é o primeiro contato que um recrutador tem com o profissional. Por isso ele deve ser um documento elaborado de forma estratégica, para que consiga impressionar o recrutador de forma que faça valer o próximo passo do processo seletivo.

A seguir, traremos 6 táticas para você revisar o seu currículo, analisar todos os dados e estruturá-lo com informações relevantes para atrair a atenção das boas empresas — um upgrade que pode te ajudar a encontrar o emprego dos sonhos!

A importância de apresentar um bom currículo

Se a primeira impressão é a que fica, o currículo deve ser  o cartão de visitas de um profissional. É por ele que qualquer recrutador fará as primeiras análises sobre o perfil, competências e habilidades de um candidato.

As informações devem conduzir o recrutador a um interesse genuíno por conhecer mais de perto quem está por trás daquele relato sucinto e bem organizado. É isso mesmo: o currículo não deve ser extenso, para não deixar o recrutador com aquela impressão de nada mais a perguntar.

Lembre-se de que a concorrência é grande e cada candidato está empenhado em apresentar o melhor currículo. Você precisa convencer de que merece ser contratado e esse é o pontapé inicial de uma árdua jornada de recrutamento e seleção.

Como deixar seu currículo no topo da preferência

Como fazer para que seu currículo se destaque e seja capaz de brilhar os olhos do recrutador? Não existe uma fórmula mágica, mas algumas táticas interessantes surtem efeito quando o responsável pelo processo se vê diante de várias possibilidades:

1. Evitar prolixidade

Falar demais é um problema não só no currículo, mas em qualquer etapa de um processo seletivo. Recrutadores gostam de fazer perguntas. Seja comedido e informe apenas o que é necessário.

A ideia central de um currículo deve ser a de apresentar conhecimentos, competências e habilidades principais para, em um segundo momento, detalhar cada ponto abordado, caso seja do interesse do recrutador.

Seu currículo não precisa ter três páginas para demonstrar toda a sua experiência. Encontrar as palavras certas e compilar as informações de forma adequada deixará o recrutador envolvido, com desejo de conhecer você pessoalmente.

 2. Listar idiomas estrangeiros

Se você fala ou compreende bem um idioma, essa é uma informação que deve constar no currículo. As empresas estão cada vez mais globalizadas em virtude do alcance da internet.

Saber falar outro idioma é um diferencial que pode fazer você conquistar um emprego em multinacionais ou até mesmo ser convidado para trabalhar fora do país — uma experiência internacional é sempre muito bem-vinda no currículo.

3. Destacar hard e soft skills

Deixar claro tudo o que você sabe, de fato, fazer e quais os resultados conquistados por essas habilidades ao longo da carreira é uma forma de quantificar ao recrutador o quão valiosa pode ser a sua mão de obra.

As empresas estão em busca de profissionais capazes de fazer a diferença. É preciso mostrar qualificações essenciais que podem ser aproveitadas pela companhia para gerar resultados efetivos. As informações do currículo devem estimular o raciocínio numérico do recrutador.

Ao falar das habilidades de execução, não se esqueça de dizer como você se comporta diante dos desafios. As habilidades comportamentais também estão no radar de quem avalia um currículo. De nada adianta você demonstrar um desempenho excepcional se o seu relacionamento interpessoal deixar a desejar.

4. Enxugar informações pessoais

Quem avalia o seu currículo está interessado primeiramente no que você tem a oferecer como profissional. É claro que o contexto pessoal também é levado em conta, porém o foco principal está mesmo em reconhecer se você pode agregar valor à empresa com a experiência ofertada.

Sendo assim, as informações pessoais não devem ocupar um lugar maior no seu currículo, até mesmo para não desviar a atenção do objetivo principal, que é apresentar um profissional à altura da vaga a ser preenchida.

5. Mostrar características do perfil comportamental

Voltando ao perfil comportamental, em tempos de valorização das relações humanas, algumas características do comportamento são primordiais para empresas que têm valores fortes e fazem questão de inseri-los dentro da cultura organizacional.

O RH moderno introduziu a análise do fit cultural — identificação de valores, ideais e objetivos — exatamente para encontrar profissionais que estejam em sintonia com a organização e dispostos a trilhar no mesmo sentido.

Ao falar de liderança, empatia, flexibilidade, capacidade de persuasão, facilidade para a tomada de decisão, resolução de conflitos e mais algumas características que julgar interessantes, seja sincero e verdadeiro, pois você será cobrado da aplicação no dia a dia.

6. Manter seu currículo atualizado

Manter as informações atualizadas vai deixar seu currículo aquecido no mercado. Mesmo que você esteja empregado, pode perder uma excelente oportunidade de participar de um processo seletivo por não corresponder às expectativas, a julgar pelas informações do seu currículo.

Um curso extra ou o avanço no nível de um idioma fazem total diferença e as empresas estão de olho em profissionais que se preocupam em se atualizar. Sendo assim, sempre que possível revise o seu currículo e insira as informações mais recentes e relevantes.

A importância de se fazer presente no on-line

A modernidade trouxe para o mercado mais agilidade e praticidade em diversos cenários e o de recrutamento e seleção não foge à regra. Cada vez mais os currículos tradicionais com envio por papel estão em desuso.

As plataformas de recrutamento aliadas às redes sociais têm um alcance muito maior e capacidade de fazer um perfil ser conhecido por diversas empresas. Não adianta saber como melhorar o currículo e não utilizar os meios para divulgá-lo corretamente, afinal, quem não é visto, não é desejado!

Se você gostou deste post, que tal ler mais conteúdos em nosso blog começando por aprender como criar um perfil de destaque no LinkedIn? Essa é a maior rede profissional do mundo e você certamente terá muitas oportunidades ao participar dela!

Entenda como funciona esse tipo de negócio inovador

Você provavelmente já ouviu falar em startups unicórnios, certo? Apesar do nome místico, que simboliza um animal mitológico que tem a forma de cavalo, elas são empresas reais e que promovem um grande impacto social. Além disso, são extremamente valiosas.

Existem muitas vantagens de trabalhar em startups unicórnios. A primeira delas é a oportunidade de aprender com outros profissionais talentosos. Também é possível citar a possibilidade de crescimento, autonomia e bem-estar no expediente, entre outras.

Nos tópicos a seguir, vamos explicar o que são startups unicórnios e o que elas buscam encontrar nas novas contratações. Ficou interessado? Continue a leitura!

Afinal, o que são startups unicórnios?

Há muitas definições para o termo startup: alguns profissionais afirmam que se referem a empresas iniciantes e outros, empreendimentos disruptivos com alta tecnologia.

Na verdade, toda startup tem três coisas em comum: escalabilidade, estrutura enxuta e um modelo de negócio inovador. Ou seja, são empreendimentos simples e ousados, com alto potencial de crescimento, graças ao uso intensivo de determinadas tecnologias.

Um termo mais específico é startup unicórnio, que surgiu em 2013. Como dito, faz alusão a um animal raro da mitologia grega. No mundo dos negócios, todavia, o termo diz respeito a uma startup que atinge valor de mercado de ao menos US$ 1 bilhão — como o Nubank.

Em todo o mundo, existem apenas algumas centenas de startups unicórnios — sendo que muitas estão nos Estados Unidos ou na China. No Brasil, hoje, são cerca de 8 unicórnios.

Trabalhar em uma dessas raras startups é bom para fortalecer o currículo, mas também para aprender coisas novas e fazer network. Seu ambiente atraente, muitas vezes colorido e icônico, gera inspiração e bem-estar, sem deixar de lado a cobiça por grandes resultados.

O que as startups unicórnios buscam em novas contratações?

O perfil profissional buscado pelas startups unicórnios pode variar muito de acordo com a vaga aberta. Para um talento da área de expansão ou engenharia de software, por exemplo, o inglês é essencial. No entanto, existem algumas competências mais subjetivas, chamadas Soft Skills, que são comumente requisitadas. Confira, adiante, as principais!

Pensamento criativo

Como a startup apresenta um modelo de negócios inovador, é muito comum que seus problemas não tenham sido vistos antes. Logo, não há uma solução “catalogada”. É preciso um time criativo e fora do lugar-comum para resolver os problemas com precisão.

Por isso, uma das competências mais requisitadas é o pensamento criativo. É importante olhar para os problemas de forma diferente e identificar soluções fora do comum. Um funcionário criativo, por exemplo, conseguiria trazer soluções singulares para uma crise.

Comunicação eficaz

O ambiente de startup é muito dinâmico. As coisas estão sempre acontecendo: novos clientes, projetos, produtos e serviços sendo desenvolvidos. Não por acaso, é comum que essas empresas cresçam 200% ao ano, enquanto as outras crescem 20% ou menos.

Nesse ambiente dinâmico, comunicar-se com eficácia é uma obrigação — e algo cobrado pelos selecionadores. É preciso saber se fazer entendido, não depender de canais obsoletos de comunicação e estar disposto a ouvir os colegas de trabalho. Assim, todos ganham.

Vontade de aprender

Se você está satisfeito com o que já sabe, não é o tipo de profissional ideal para startups unicórnios. Nesse ambiente dinâmico, os profissionais são sempre estimulados a aprender, desaprender e aprender novamente. Portanto, a aprendizagem é um processo contínuo.

A vontade de aprender é essencial para o desenvolvimento de novos projetos, prototipagem de produtos e participação de treinamentos colaborativos. Talentos com pouca disposição para aprender coisas novas (o que dá trabalho, que fique claro) não se destacam na seleção.

Resiliência

O termo resiliência diz respeito à capacidade de não recuar após enfrentar adversidades. É o tipo de profissional que continua tentando, mesmo que tenha enfrentado derrotas antes. Sendo assim, depende de força de vontade e maturidade psicológica.

Sem dúvida, uma das competências mais desejadas pelas startups unicórnios. É medida por meio de dinâmicas e testes de perfil comportamental. Profissionais com alto grau de resiliência normalmente já enfrentaram grandes problemas ou empreenderam antes.

Empatia

Por fim, é preciso destacar a empatia. Essa competência refere-se à capacidade de se colocar no lugar do próximo, de modo que consiga compreendê-lo. Há muitas razões pelas quais as startups unicórnios preferem profissionais empáticos, veja as principais:

  • Eles conseguem entender e atender melhor os clientes;
  • Sabem trabalhar melhor em equipe;
  • Envolvem-se em menos problemas e conflitos internos.

Profissionais pouco empáticos têm dificuldades de se colocar no lugar dos clientes, colegas de trabalho ou superiores imediatos. Isso abre espaço para problemas internos. Além disso, esses profissionais são mais propensos a prejudicar a empresa — o que ninguém deseja.

Quais são as startups unicórnios no Brasil?

Existem diferentes startups unicórnios no Brasil. O Nubank, fintech que oferece serviços financeiros, é um bom exemplo. Entre seus pilares, está o design (dedicado a “quebrar” a complexidade do setor bancário), a ciência de dados e experiência do cliente.

Os colaboradores da startup roxinha têm, em média, 26 anos de idade. Contam com food truck na porta do local de trabalho, paredes grafitadas e mesas de pebolim. Esses benefícios não tornam menos importante o trabalho duro, determinação e a vontade de aprender sempre.

Outra startup unicórnio de destaque é o iFood. A foodtech, que tem a visão de revolucionar o setor de alimentação, é líder do seu segmento na América Latina e uma das startups mais prestigiadas do mundo. Inovação e espírito de equipe são pilares da sua cultura.

Para fazer parte dessa foodtech, é preciso participar de um rigoroso processo de seleção e apresentar competências alinhadas à sua cultura organizacional.

Há outros unicórnios brasileiros, é o caso da Loggi, PagSeguro, 99 e Movile. Todas contam com culturas específicas, mas ter as competências (Soft Skills) citadas anteriormente já é um ótimo começo. Portanto, aproveite para desenvolver-se como profissional.

E então, gostou do nosso artigo? Lembre-se que é preciso desenvolver seu pensamento criativo, sua habilidade com a comunicação e vontade de aprender, além de se tornar mais resiliente e empático. Assim, terá mais chances de fazer parte das startups unicórnios.

Agora que está por dentro do tema, aproveite para nos seguir nas redes sociais e ficar sempre por dentro das nossas novidades — Estamos no Facebook, LinkedIn e Instagram.

Photo by Proxyclick Visitor Management System on Unsplash

Entenda por que é tão importante estar presente na maior rede social profissional do mundo

O currículo tradicional tem deixado de ser atraente, além de não trazer a visibilidade que os bons profissionais precisam para ocupar posições estratégicas nas empresas. Com a globalização, criar um perfil de destaque no LinkedIn é o melhor caminho para encontrar mais portas abertas.

As plataformas digitais inovaram e trouxeram para o mercado uma metodologia dinâmica de recrutamento e seleção. Embora ainda seja possível se candidatar para vagas de emprego pelo modo convencional, essa modalidade está cada vez mais escassa.

Com este post, vamos mostrar o porque do perfil do LinkedIn ser considerado o melhor currículo na atualidade e deixar algumas dicas do que você deve fazer para turbinar o seu, concorrendo assim às melhores oportunidades de emprego. Acompanhe!

O que é o LinkedIn?

Antes de falarmos sobre a eficiência do LinkedIn, vamos entender melhor o que é, como funciona e por que se tornou a principal rede profissional da internet, além do ambiente mais favorável para quem deseja atuar nas maiores e melhores empresas do planeta.

Nascido nos Estados Unidos, em 2003, o LinkedIn tem como principal objetivo permitir que os usuários ampliem seu network por meio das conexões formadas e, com isso, aumentem as chances de recolocação profissional ou fechamento de negócios.

Ele funciona no estilo de uma rede social, com a diferença de que as publicações, assuntos e contatos são fundamentados por objetivos profissionais. Os convites se dão por empregadores em busca de candidatos específicos ou por profissionais disponíveis para o mercado.

Muitos profissionais que se encontram empregados, inclusive, participam do LinkedIn para se manterem atualizados e sempre atentos às oportunidades que podem ser úteis no futuro.

Quais as vantagens de criar um perfil de destaque no LinkedIn?

Desde que surgiu, o LinkedIn evoluiu e conquistou cada vez mais usuários. De “modestos” 16 milhões de usuários em 2007, apresenta, agora, um número impressionante: são mais de 500 milhões de usuários espalhados pelo mundo, após ser adquirido pela Microsoft, em 2016, em uma transação bilionária.

Com esse número expressivo de membros, a tendência é que a rede seja também campeã em visitas diárias, o que aumenta a visibilidade de quem tem o cuidado de ter um perfil de destaque no LinkedIn.

Veja algumas vantagens de criar e manter ativo um perfil na rede profissional de relacionamento:

  • Conseguir emprego;
  • Estabelecer conexão com aquele profissional que você admira;
  • Reencontrar colegas de trabalho;
  • Manter a visibilidade do currículo na maior rede voltada para o trabalho;
  • Ampliar o conhecimento sobre assuntos específicos;
  • Ter acesso a conteúdos relevantes;
  • Participar de grupos interativos.

Como manter o perfil do LinkedIn atrativo?

Para ter sucesso e alcançar o objetivo proposto — seja encontrar um emprego, desenvolver habilidades ou contratar potenciais profissionais — não basta apenas criar um perfil e esperar que ele faça as conexões sozinho.

É fundamental adotar algumas medidas próprias para a gestão do perfil na rede e, assim, garantir o resultado esperado. Se você busca por oportunidades, vá de encontro a elas. Tome nota de algumas dicas importantes:

Utilize palavras-chave

As palavras-chave conectam um perfil de destaque no LinkedIn a o que os empregadores pesquisam em sua procura pelos profissionais adequados. Defina o seu foco e alinhe com as atividades ou cargo que você deseja.

Lembre-se que o LinkedIn é uma rede aberta, com muitos acessos diários por pessoas e profissionais que podem ou não ser da área de recrutamento. Ser encontrado pela internet é mais complexo, pois depende das pesquisas do outro.

Enquanto no modo tradicional você envia seu currículo para alguém específico, no LinkedIn é essencial inserir palavras-chave estratégicas, imaginando-se como quem está à procura de profissional fará essa busca.

A palavra-chave deve aparecer em todo o seu perfil — a identificação é automática, ou seja, quando alguém busca por algo com uma determinada palavra, o sistema faz uma varredura pela rede para oferecer ao recrutador um máximo de possibilidades.

Quanto mais proximidade o perfil tiver com as características da vaga e da empresa recrutadora, mais fácil será promover esse encontro.

Atualize as informações

De tempos em tempos, atualize o seu perfil — corrija as informações como e-mails, telefones, empregos e aspirações sempre que necessário — e aumente as chances de ser encontrado para uma vaga emergencial, por exemplo.

Conecte-se a grupos

Participar de grupos e interagir com diversas pessoas é um modo saudável de se apresentar e se fazer presente. Grupos profissionais abrem discussões e debates interessantes, então, participar deles mostrará suas ideias e percepções sobre um assunto — o que pode chamar a atenção de recrutadores presentes.

Detalhe sua experiência profissional

Seja criterioso na hora de descrever a sua experiência profissional. Pense que o recrutamento se dá por uma necessidade e você só vai chamar a atenção de um recrutador se as informações contidas no seu perfil tiverem detalhes suficientes para fazer com que ele tenha curiosidade de conhecer suas competências e habilidades mais a fundo. Não se esqueça de inserir a palavra-chave.

Aposte na rede de contatos

A rede de contatos aumenta o número de conexões e, consequentemente, as oportunidades. Faça contato com pessoas estratégicas, que estejam em sintonia com a sua vida profissional ou com os seus projetos futuros.

Quanto maior a sua rede, mais você terá acesso às novidades, informações relevantes e novos contatos. Isso porque o LinkedIn é uma rede grande e, participando ativamente, você vai se conectar a terceiros que também estejam conectados às suas conexões — os interesses se atraem.

Compartilhe artigos e publicações

Tanto as pessoas dos grupos quanto aquelas das suas conexões criam o hábito de postar artigos diversos. Compartilhe aqueles que mais bem representam o seu modo de pensar e agir. Assim, o recrutador saberá quais são as suas finalidades e no que você acredita.

Caso uma das suas conexões resolva iniciar uma conversa sobre algum assunto, seja autêntico e compartilhe o que de fato é relevante e que você tenha domínio. Ter autoridade sobre um conteúdo é demonstrar a maturidade profissional e todo o conhecimento agregado a ela.

Faça do seu perfil um blog interessante, que seja fonte de consulta todas as vezes que alguém se lembrar de um conteúdo de destaque. Assim, seu perfil terá tráfego intenso e boas interações.

Coloque informações precisas

Você não precisa ter um perfil extenso e repleto de informações para chamar a atenção. A principal estratégia deve ser a de identificar o que os recrutadores desejam encontrar para ser pontual e preciso nas informações.

Concentre-se em inserir informações relevantes e condizentes com as suas expectativas. Se a ideia é encontrar um emprego, as informações devem ter foco maior em apresentar bem as suas qualificações.

Entretanto, se o desejo for de ampliar a rede, conhecer bons profissionais e ser um profissional interessante, foque em fornecer informações sobre alguns aspectos sociais, políticos e de mercado também — seja abrangente, mas sucinto.

Por fim, reiteramos a necessidade de sempre atualizar suas informações para manter um perfil de destaque no LinkedIn. O diferencial competitivo está em aproveitar ao máximo a rede como o principal e mais importante meio de ser visto pelos recrutadores.

Se você gostou deste post, deixe um comentário e compartilhe conosco o que você pensa sobre o LinkedIn e a importância de manter o perfil atualizado para gerar oportunidades!

EN PT ES