Você provavelmente já ouviu falar em startups unicórnios, certo? Apesar do nome místico, que simboliza um animal mitológico que tem a forma de cavalo, elas são empresas reais e que promovem um grande impacto social. Além disso, são extremamente valiosas.

Existem muitas vantagens de trabalhar em startups unicórnios. A primeira delas é a oportunidade de aprender com outros profissionais talentosos. Também é possível citar a possibilidade de crescimento, autonomia e bem-estar no expediente, entre outras.

Nos tópicos a seguir, vamos explicar o que são startups unicórnios e o que elas buscam encontrar nas novas contratações. Ficou interessado? Continue a leitura!

Afinal, o que são startups unicórnios?

Há muitas definições para o termo startup: alguns profissionais afirmam que se referem a empresas iniciantes e outros, empreendimentos disruptivos com alta tecnologia.

Na verdade, toda startup tem três coisas em comum: escalabilidade, estrutura enxuta e um modelo de negócio inovador. Ou seja, são empreendimentos simples e ousados, com alto potencial de crescimento, graças ao uso intensivo de determinadas tecnologias.

Um termo mais específico é startup unicórnio, que surgiu em 2013. Como dito, faz alusão a um animal raro da mitologia grega. No mundo dos negócios, todavia, o termo diz respeito a uma startup que atinge valor de mercado de ao menos US$ 1 bilhão — como o Nubank.

Em todo o mundo, existem apenas algumas centenas de startups unicórnios — sendo que muitas estão nos Estados Unidos ou na China. No Brasil, hoje, são cerca de 8 unicórnios.

Trabalhar em uma dessas raras startups é bom para fortalecer o currículo, mas também para aprender coisas novas e fazer network. Seu ambiente atraente, muitas vezes colorido e icônico, gera inspiração e bem-estar, sem deixar de lado a cobiça por grandes resultados.

O que as startups unicórnios buscam em novas contratações?

O perfil profissional buscado pelas startups unicórnios pode variar muito de acordo com a vaga aberta. Para um talento da área de expansão ou engenharia de software, por exemplo, o inglês é essencial. No entanto, existem algumas competências mais subjetivas, chamadas Soft Skills, que são comumente requisitadas. Confira, adiante, as principais!

Pensamento criativo

Como a startup apresenta um modelo de negócios inovador, é muito comum que seus problemas não tenham sido vistos antes. Logo, não há uma solução “catalogada”. É preciso um time criativo e fora do lugar-comum para resolver os problemas com precisão.

Por isso, uma das competências mais requisitadas é o pensamento criativo. É importante olhar para os problemas de forma diferente e identificar soluções fora do comum. Um funcionário criativo, por exemplo, conseguiria trazer soluções singulares para uma crise.

Comunicação eficaz

O ambiente de startup é muito dinâmico. As coisas estão sempre acontecendo: novos clientes, projetos, produtos e serviços sendo desenvolvidos. Não por acaso, é comum que essas empresas cresçam 200% ao ano, enquanto as outras crescem 20% ou menos.

Nesse ambiente dinâmico, comunicar-se com eficácia é uma obrigação — e algo cobrado pelos selecionadores. É preciso saber se fazer entendido, não depender de canais obsoletos de comunicação e estar disposto a ouvir os colegas de trabalho. Assim, todos ganham.

Vontade de aprender

Se você está satisfeito com o que já sabe, não é o tipo de profissional ideal para startups unicórnios. Nesse ambiente dinâmico, os profissionais são sempre estimulados a aprender, desaprender e aprender novamente. Portanto, a aprendizagem é um processo contínuo.

A vontade de aprender é essencial para o desenvolvimento de novos projetos, prototipagem de produtos e participação de treinamentos colaborativos. Talentos com pouca disposição para aprender coisas novas (o que dá trabalho, que fique claro) não se destacam na seleção.

Resiliência

O termo resiliência diz respeito à capacidade de não recuar após enfrentar adversidades. É o tipo de profissional que continua tentando, mesmo que tenha enfrentado derrotas antes. Sendo assim, depende de força de vontade e maturidade psicológica.

Sem dúvida, uma das competências mais desejadas pelas startups unicórnios. É medida por meio de dinâmicas e testes de perfil comportamental. Profissionais com alto grau de resiliência normalmente já enfrentaram grandes problemas ou empreenderam antes.

Empatia

Por fim, é preciso destacar a empatia. Essa competência refere-se à capacidade de se colocar no lugar do próximo, de modo que consiga compreendê-lo. Há muitas razões pelas quais as startups unicórnios preferem profissionais empáticos, veja as principais:

  • eles conseguem entender e atender melhor os clientes;
  • sabem trabalhar melhor em equipe;
  • envolvem-se em menos problemas e conflitos internos.

Profissionais pouco empáticos têm dificuldades de se colocar no lugar dos clientes, colegas de trabalho ou superiores imediatos. Isso abre espaço para problemas internos. Além disso, esses profissionais são mais propensos a prejudicar a empresa — o que ninguém deseja.

Quais são as startups unicórnios no Brasil?

Existem diferentes startups unicórnios no Brasil. O Nubank, fintech que oferece serviços financeiros, é um bom exemplo. Entre seus pilares, está o design (dedicado a “quebrar” a complexidade do setor bancário), a ciência de dados e experiência do cliente.

Os colaboradores da startup roxinha têm, em média, 26 anos de idade. Contam com food truck na porta do local de trabalho, paredes grafitadas e mesas de pebolim. Esses benefícios não tornam menos importante o trabalho duro, determinação e a vontade de aprender sempre.

Outra startup unicórnio de destaque é o iFood. A foodtech, que tem a visão de revolucionar o setor de alimentação, é líder do seu segmento na América Latina e uma das startups mais prestigiadas do mundo. Inovação e espírito de equipe são pilares da sua cultura.

Para fazer parte dessa foodtech, é preciso participar de um rigoroso processo de seleção e apresentar competências alinhadas à sua cultura organizacional.

Há outros unicórnios brasileiros, é o caso da Loggi, PagSeguro, 99 e Movile. Todas contam com culturas específicas, mas ter as competências (Soft Skills) citadas anteriormente já é um ótimo começo. Portanto, aproveite para desenvolver-se como profissional.

E então, gostou do nosso artigo? Lembre-se que é preciso desenvolver seu pensamento criativo, sua habilidade com a comunicação e vontade de aprender, além de se tornar mais resiliente e empático. Assim, terá mais chances de fazer parte das startups unicórnios.

Agora que está por dentro do tema, aproveite para nos seguir nas redes sociais e ficar sempre por dentro das nossas novidades — Estamos no Facebook, LinkedIn e Instagram.

Photo by Proxyclick Visitor Management System on Unsplash

Comments are closed.